Blog

Dicas de Viagem

Por Klas Viagens | 10/07/2019 às 09:00:00

Dicas e curiosidades sobre o Marrocos.

Dicas e curiosidades sobre o Marrocos.
Viajar para o Marrocos é ter a certeza de ir ao encontro de uma grande experiência cultural. Da culinária a religião, conheça todas as dicas e curiosidades sobre esse destino repleto de contrastes.

 

Marrocos fica situado no noroeste do continente Africano, apenas a 14 quilômetros da Espanha, separado da Europa pelo Estreito de Gibraltar, faz fronteira com a Argélia e a Mauritânia. A população é de cerca de 36 milhões de habitantes. A capital é a cidade de Rabat e a maior é Casablanca. O país é cheio de história e cultura. Além disso, possui paisagens deslumbrantes que combinam deserto, montanhas e litorais, com uma culinária rica e um povo muito hospitaleiro.

As cidades que mais recebem turistas durante o ano são Marrakech e Agadir, isso porque são badaladas, com bons hotéis, spas e resorts de luxo. Juntas somam 61% do turismo no país. Tânger, Fez, Casablanca e Essaouira são outros destinos que atraem os turistas, principalmente, por suas praias e comércio.

Esta é uma viagem para quem busca um destino exótico. A cultura é muito diferente dos outros países que fazem parte dos clássicos roteiros europeus ou americanos. Marrocos tem atração para todos os gostos, como praias, cachoeiras, lagos, dunas e até montanhas para esqui e escalada. Além disso, no país há monumentos tombados pela Unesco e arquitetura imperial de cultura muçulmana. 

O país atrai brasileiros por causa de suas cores e artes, e vem se tornando um local cada vez mais procurado pelos turistas. Em nenhum outro país você encontra tanta variedade natural e arquitetônica, cada construção é única. O Marrocos já foi cenário de grandes sucessos da TV, em filmes e seriados. Casablanca, Gladiador, Game of Thrones e a novela brasileira O Clone são alguns exemplos. 

 

Como chegar

Para chegar em Marrocos, há voos diretos de São Paulo e Rio de Janeiro para Casablanca. Também é possível fazer conexão na Europa, principalmente, por Portugal e Espanha. Outra opção, que também pode ser uma atração turística, é atravessar o mar Mediterrâneo pelo Estreito de Gilbratar de ferry boat, partindo do sul da Espanha até Tânger no norte do Marrocos.

Para os brasileiros, não é necessário o visto para visitar o Marrocos. A única exigência é portar passaporte com validade mínima de seis meses. Além disso, não é obrigatório tomar nenhuma vacina especial ou portar Certificado Internacional de Vacinação. Porém, a recomendação é sempre estar com as vacinas em dia.

 

Língua

O Marrocos tem duas línguas oficiais, que são o árabe e o francês. O espanhol e inglês também são muito comuns, mas não oficiais.

Muitas vezes é comum ouvir o darijá, ou árabe marroquino, que é a mistura das duas línguas com algumas palavras em francês e espanhol. O inglês é muito utilizado pelo turismo. 

 

Moeda

A moeda local é o dirham marroquino (MAD). Disponível para compra apenas no país, é proibido tirar a moeda do território marroquino. Para quem viajar para Marrocos é necessário comprar euro ou dolar, que são moedas fortes, e trocar quando chegar no país.

Muitos estabelecimentos aceitam o pagamento em euro ou dólar, mas a cotação vai depender de cada comerciante e, na maioria das vezes, o troco será na moeda local. Então, recomendamos que seja feita a troca pelo dirham ao chegar no país.

 

Compras

Os souks são grandes mercados de rua, bastante tradicionais, famosos pelas cores e cheiros. Antigamente eram frequentados apenas pela população local, mas atualmente são atrações turísticas.

Para as pessoas que vem do ocidente, a compra nos souks torna a experiência ainda mais divertida. Uma única loja pode vender ao mesmo tempo, comida, roupas e móveis. Dentro dos souks, os artesãos podem continuar trabalhando, mesmo na sua frente, com o couro e metais, por exemplo. A hora mais concorrida nos souks é ao anoitecer, hora em que uma grande parte da população sai de casa e os vendedores ambulantes diminuem o preço dos seus produtos. É a hora ideal para observar a cultura marroquina.

 Souks, os tradicionais mercados árabes.

De modo geral, o comércio nos países orientais, como Marrocos, funciona a moda antiga, para tudo é necessário negociar os preços, principalmente quando é falado em inglês, afinal, os comerciantes percebem que são turistas e aumentam ainda mais o valor. Os produtos, raramente, terão etiqueta com preços, principalmente nas lojas dentro das medinas. O ideal é oferecer metade do que é pedido e ir negociando até chegar em um bom valor para as ambas as partes. Caso o vendedor não queira diminuir muito o preço, mostre que irá sair da loja que eles mudarão de ideia. Guarde um espaço na mala para as cerâmicas e para os tapetes marroquinos.

É recomendado que pesquise o preço dos produtos que tem interesse antes de comprar, a variação de valor nas medinas é bem grande. Se você não gosta disso, dê preferência para fazer suas compras nas poucas lojas que possuem preços marcados. Mas cuidado com os aproveitadores, pois alguns comerciantes podem passar preços exorbitantes, muito acima da realidade e você, como não terá noção do real valor do produto, pode acabar sendo passado para trás. 

 

Culinária

Um dos pontos fortes do Marrocos é sua variada e rica cozinha. A junção de pratos e ingredientes vindos dos povos nômades do deserto, de mediterrâneos, árabes e franceses criou uma identidade gastronômica única. Se você adora uma comida bem temperada, o Marrocos é uma ótima opção. As refeições têm toques de açafrão, limões em conserva e hortelã, além de muitos outros condimentos.

Os pratos, em sua maioria, envolvem clássicos como o cuscuz e tajines variados. Seksou (cuscuz) é o prato nacional marroquino. São grânulos de sêmola que são cozidos sobre uma panela cheia de uma carne rica e ensopado de vegetais. O Tajine é um delicioso ensopados de carne, frango ou ovelha feito na brasa em um prato de barro com tampa no formato de cone, sempre acompanhado de pão. No Marrocos, é o prato das sexta-feiras ou dias de festa, mas está disponível todos os dias nos restaurantes turísticos.

Culinária marroquina: tajine de frango e cuscus.

Com a mesma popularidade, o Méchoui representa o famoso espetinho de carneiro temperado com pimenta-do-reino e cominho. As tâmaras e a água de rosas não podem ficar de fora, assim como os vinhos, produzidos na região desde os tempos romanos. O café da manhã marroquino é simples, mas saboroso e é composto por panquecas, pão, queijo, azeite, café e chá de menta. 

As opções para escolher um restaurante é desde um restaurante requintado, comandado por um chef reconhecido, até experimentar a comida de rua. Há uma feira noturna na praça Jeema El-Fna, em Marrakech, com diversas barracas, e variações de uma mesma receita básica.

Em Marrocos é proibido jogar pão fora. Isso porque é um alimento muito respeitado e também consumido por quase todas as famílias. Os restos ou as sobras são utilizadas para alimentar o gado. As famílias que não têm gado trocam os restos de pão por detergente ou outros produtos.

No país, comer com as mãos é um hábito muito comum, nos restaurantes turísticos são disponibilizados talheres. O correto é usar sempre a mão direita, pois é a mão considerada “limpa”, é grosseiro manipular os alimentos com a mão esquerda e dizer não à carne, se for oferecida. No fim das refeição, todos tomam chá e conversam.

 

Costumes e Vestimentas

Assim como os outros países islâmicos, no Marrocos os costumes estão ligados a religião e são respeitados pela população. Porém, o país é o islâmico mais liberal do mundo, é comum ver mulheres com os cabelos descobertos, principalmente nas grandes cidades, a maioria delas utilizam o véu. As vestes das mulheres berberes variam de região para região. 

Atualmente as mulheres já têm um papel mais ativo na sociedade. Nas cidades mais desenvolvidas, muitas jovens trabalham. Mas ainda assim, o interior de Marrocos é raro ver mulheres trabalhando em comércio.

Dentro das medinas, as roupas usadas por homens e mulheres são mais tradicionais, com o uso da djellaba, uma espécie de robe largo com as mangas compridas. Também pode ter capuz com ponta bicuda para proteger do sol e do frio. 

Para as pessoas que pretendem visitar o país, é recomendado evitar roupas que sejam muito justas, com decotes, shorts e saias curtas, regatas, principalmente quando estiverem visitando a medina, em respeito aos costumes locais.

 

Religião

O Marrocos é um país oficialmente islâmico e compõe o chamado Mundo Árabe, assim como Emirados Árabes, Síria e outros 20 países. O Islamismo é uma religião monoteísta, ou seja, acredita na existência de um único Deus, surgiu na península arábica no século VII, profetizada por Mohammed, chamado pelos ocidentais como Maomé. O alcorão, sua escritura sagrada, tem 5 pilares, sendo eles: fé, oraçção caridade, jejum e peregrinação.

No Marrocos existem muitas mesquitas, local onde os muçulmanos se reunem para realizar as suas orações. Porém, somente a Hassan II, localizada em Casablanca, está aberta para a visitação dos turistas.

 Mesquita Hassan II em Casablanca.

Durante o período do Ramadã, os muçulmanos colocam em prática o jejum, considerado o quarto entre os 5 pilares do islamismo. A data varia de ano para ano, podendo acontecer por todos os meses e estações do ano, tendo duração entre 29 e 30 dias.

Durante o Ramadã, muitos restaurantes fecham no horário do almoço, mesmo nas grandes cidades. As tendas e pequenos mercados ficam fechados durantes o dia.  É recomendável visitar o destino após esse período ou evitar de se alimentar ou beber água na rua, na presença de muçulmanos, pode ser ofensivo.

 

Clima

Devido a sua localização ao norte da África e com parte de seu território em região desértica, o Marrocos é extremamente quente durante o verão. Tem dias em que a temperatura pode chegar a 40 graus. Mesmo em cidades distantes do deserto, nos meses de julho e agosto, o clima aliado ao tempo seco pode ser muito desagradável ao turista. 

As temperaturas mais altas do dia acontecem entre 15h e 18h, ou seja, é melhor se programar para nesses horários fazer atividades mais tranquilas. A melhor época para visitar o Marrocos é durante a primavera, entre os meses de março e maio e durante o outono, de setembro a novembro, quando as temperaturas estão mais amenas e as cidades não estão lotadas de turistas.

Passeio no deserto do Marrocos.

 

Segurança

Marrocos é um país com o índice de violência baixo, então não é necessário se preocupar em andar por lá com sua câmera ou celular tirando fotos. A maior parte da economia do país vem do turismo, então é normal ver muitos policiais nas ruas.

Mesmo sendo razoavelmente seguro para o turista, existe uma grande insistência por parte dos mercadores, que tentam empurrar todo tipo de coisa. Mulheres também podem viajar sozinhas sem problemas, desde que tomem algumas precauções, como não andar em locais afastados.

 

Cuidado com as fotos

Em muitos países no continente africano é proibido tirar fotos de palácios, locais que pertençam ao governo, como casa da moeda, e guarda real. Na hora de tirar fotos, verifique se não tem nenhuma placa que mostre a proibição de câmeras, caso aconteça e algum policial veja, ele irá pedir para ver sua foto e talvez pedir para você apagar. Geralmente eles são gentis e educados, não precisa ter medo.

 

Marrocos é um destino que vale a pena ser visitado. Porém, por ter um contraste muito grande com a nossa cultura, exigirá um pouco mais de planejamento, pesquisa e respeito as diferenças.

 

Pacotes Relacionados

0 Comentários

Deixe seu comentário

Galeria Fotos

    Ligamos pra você

    Nós ligamos pra você

    Enviar